It is true: Conor McGregor is a bigot. So why is his brand so profitable?

It is true:  Conor McGregor is a bigot. So  why is his brand so profitable?

On Monday an article entitled “King: MMA star Conor McGregor is a bigot — but he’s been given a free pass” was published in the New York Daily News by Shaun King. The writer and civil rights activist pointed out how a bigot behaviour is encouraged by the brands involved in the MMA business and how the fighters get more “provocative” before the matches as a way of promoting them.

On one of this occasions, in 2015, before a match against a Brazilian fighter Jose Aldo, the author recalls that “McGregor repeatedly resorted to disgustingly bigoted attacks. In a reference to colonialism, McGregor said, ‘If this was a different time, I would invade his favela on horseback and kill anyone that was not fit to work.’ Afterwards he said, ‘What I really want to do is turn his favela into a Reebok sweatshop.’ McGregor also said about Aldo, in an apparent joke targeting Latinos, ‘I think I’m going to have him come and clean up my airplane.’’’

The point is, why at the XXI century racism and other forms of hate speech are still profitable and why so many people identify with them? It would be easier – and quite enjoyable- just call McGregor a f*** idiot or end up in discussions that relativise racism as a subjective matter or justify it as an ontological issue. In fact, racism is a social phenomenon that calls for historical knowledge and a dose of empathy to be understood.

It is necessary to know that the genesis of the idea of race – the basis of racist thinking from which the ideology of superiority and racial inferiority originated – has its roots in the birth of America and the emergence of colonial and euro-centralized capitalism. Theories about race began to be elaborated to justify and naturalize colonial relations. That is, prejudice got scientific status and tried to explain the relationships between dominators and dominated under the false view of a natural superiority and inferiority between human beings.

As McGregor knows, Ireland also suffered from racism and colonial exploitation. In the middle of XIX century, Irish workers were less paid than their English peers and mistreated by them – who felt threatened by the mass Irish immigration to England and its consequences: the growing competition for jobs and the decline of the wages. The mainstream narrative of the situation advocated that the foreign was the dangerous enemy that would destabilise the Queen’s land. No mention was made to the fact that the Irish were left without any options to live in their own land by the same English elite that was profiting from the misery of their own people. As it is known, capitalism knows no borders or races.

The Irish have never been in a coloniser’s position but it is necessary to point out that racism and xenophobia also exist in Ireland. We cannot reduce the problem to mere matter of subjectivity – “sometimes – some – people like to be nasty”. This morning an Irish man, apparently surprised that I was able to reply to his greeting in English asked in disbelief if I could speak his language. My answering him back provoked him to justify himself that he was only joking and that he did not mean to be offensive. On another occasion, a friend of mine had her face beaten​ up by an old man because she was walking on the sidewalk with her bike and “people in this country don’t do it’’. When I just had arrived in Dublin, the Brazilians I met advised me to be aware of eggs being thrown by children through the windows. There are lots of cases of abuse at work related by the Brazilian community and the latina and black woman are seen as an easy target of harassment.

In other words, you don’t need to have a swastika tattooed on your chest or a KKK white robe to be an official racist. You can be racist even if you have a black friend or have dated a latina woman – it can also be identified as cultural fetishisation or misogyny by the way.

To conclude, racism is still used as a way to dehumanise groups of individuals to dominate, exploit and to control then. As in a MMA match, our society is fed with the manicheist idea which divides us into the so called good and the bad/ we and them/ the heroes and the enemies. The media – as a spokesperson for the ruling class – and the entertainment industry are here to keep the fear alive, to make us feel powerless, lost and divided. It can be seen here in Ireland in the Brexit fear fed by the media to keep the working class aware that things could get worse because of external reasons or by popular icons as Conor McGregor who say what people supposedly want to say in a context of an increasing immigration and the rise of costs of living. More than just an opinion or a pre-match provocation, his words have a real impact on the way we see each other and it can make our daily fight for life as immigrants in a new country more difficult. Such bigotry needs to be defeated.

Teenager has his forehead tattooed as a “punishment” and Brazilian netizens applaud

An image of a teenager with a tattoo on his forehead saying “thief and asshole” took over the social media in Brazil last weekend. The teenager – who was missing for more than a week – was found after his family and friends saw a video in which he was being tortured and tattooed by two men. The torturers, the tattoo artist Maycon Wesley Carvalho dos Reis and his neighbor Ronildo Moreira de Araújo, released the video themselves on WhatsApp, proud of what they have done. If it wasn’t sad enough, not only them but a huge amount of people started sharing the video congratulating the authors for their masterpiece (of horror).

The torturers justified the violence saying the young man was stealing a bicycle, which wasn’t even the case – and as if it was an excuse for such violence. Once the criminal justice in Brazil is very slow to persecute and judge crimes, it is becoming more and more fashionable to support vigilantes who punish the so called criminals.

Brazil has the fourth largest prison population in the world (622.202 people) and 40 out of 100 prisoners are still waiting to be judged. The problem in Brazil is not putting people in jail – and Brazil is quite good at that – but judging people fairly and not just incarcerating the most vulnerable in our society for the sake of getting rid of them off the streets.  Once again the vigilantes are punishing the easiest targets – as pick pocketers or drug users –  who are already the main targets of police repression.

Unfortunately Brazil does not suffer from a lack of violence but from its trivialization. As in a “Black Mirror” episode, the internet judged that it was fair for two adult men to take a young guy  suffering from mental problems,  tide him to a chair and tattoo his forehead because he supposedly tried to steal a bicycle.

******

On the other hand, there are still many people that were shocked with the news. The Afroguerrilha collective created a crowdfunding to raise R$ 15,000 ( around 5 thousand euros) to pay for the removal of the tattoo, legal fees and also for psychological treatment of the teenager. The stipulated amount has been reached, even after boycotts promoted by the supporters of the vigilantes – mainly right wing skinheads.

The City Hall of São Bernardo do Campo, a city near Sao Paulo where the crime took place, said that they will take care of the medical and surgical procedure to remove  the adolescent’s tattoo.

 

CrackLand – from open arms to redemption

CrackLand – from open arms to redemption

Last Sunday, 21st of May, more than 900 policemen from the military police of Sao Paulo, armed with guns, throwing tear gas and with helicopters, took over Cracolandia (Crackland), an area in the city centre of Sao Paulo that is infamous for being a place to use and sell drugs. The scenes of the action reminded scenes of a war, but it was announced as the new anti drug policy of the city.

Absurdly, it was seen as a successful publicity campaign by the new mayor, João Doria, and its press advisers. He got more than a hundred thousand likes in his facebook post about the action. Motivated to show commitment to solve the Cracolandia issue to his supporters – and campaign investors -, on Tuesday 23rd, he ordered the demolishing of the buildings in the area to quickly start building new ones and “revitalize” the city.

While posing for photos and giving speeches to journalists about how great administrators he is, some meters from him, the excavators that were working on the demolition of the buildings reached the side wall of another building, in which there were still people living in. Residents got hurt but fortunately no one died. The mayor quickly finished the interview and no more public declarations were made by him until the following day.

On Wednesday, João Doria, once again, defended his policy to eliminate drug use in the area and declared that the attorney office of the São Paulo City Hall had already filed a request to the Court of Justice for municipal doctors being legally able to judge the need for compulsory institutionalization of crack users.

A social problem turned into a private interest

In the 1990s the crack started attracting users to the area later called Cracolandia. The public power was never effective there, limited to coercive actions from time to time. In 2014, the newly elected mayor, Fernando Haddad, brought a more humanist approach to deal with the issue creating a program based on Harm Reduction principles called De Bracos Abertos (Open Arms).

According to the non-governmental organisation Harm Reduction International (HRI), “harm reduction refers to policies, programmes and practices that aim to reduce the harms associated with the use of psychoactive drugs in people unable or unwilling to stop. The defining features are the focus on the prevention of harm, rather than on the prevention of drug use itself, and the focus on people who continue to use drugs”. The harm reduction is being championed by drug reformist groups in recent years after years of failed forced abstinence-based programmes.

Different from a anti drug war that criminalizes the user, beneficiaries of the program Open Arms received a weekly cash allowance of 130 reals (€40), as well as regular meals and shelter under the condition that they would work in city maintenance projects, completing tasks such as street cleaning or gardening.

In 2016, when elected as the new mayor of São Paulo, João Doria announced that he would close Haddad’s program and integrate the city drug policy with the policy already implemented in the State of São Paulo, outlined by his fellow party member governor Geraldo Alckmin.

Even before being implemented, the The Federal Public Ministry, declared that the project presented “inconsistencies”, “lack of theoretical reference” and needed a “very profound modification”.

Doria’s program has a focus on institutionalization of the users in treatment centers, even without their consent. It means that people can be put in rehabilitation by force and can not be reintroduced into society without medical approval.

According to data released by the Government of Sao Paulo, in the last four and a half years of the state program Recomeco (Restart), 13,000 institutionalizations were performed: 11,000 volunteer, 2,000 brought by the family and 28 compulsory. The state has 3,4 thousand beds.

The solution to solve the problem of vacancies in treatment houses is to intensify the partnership between the public and the private interest – which is by definition motivated by the interest of individuals despite the welfare of the society as a whole. The private investor will profit from a health issue and the logic behind the business is: more people institutionalized, more money. The same logic lies behind the privatization of prisons. If it wasn’t problematic enough in itself, as corruption has deep roots in Brazilian society, people will pay an expensive price for this partnership.

Doria’s new program, that is called Redencao (Redemption) – what sounds religious, underlining the morality that guides the project – draws attention to a problem that has been criticized by social workers, doctors and psychologists since the 1970s. These kind of institutions are a return to the institutionalization as a way of treatment – what the psychiatric reformers and the anti-asylum movements have been struggling to overthrow because of its history of torturing and human rights violations.

Contradictorily, it was during the government of the president Dilma Rousseff, who was from the same party as Haddad, that a federal policy was outlined establishing a partnership between the state and private therapeutic centres. The program is called Crack é possível vencer (Crack it’s possible to win).

This kind of treatment centre is mainly ruled by religious groups, mostly catholics and evangelicals. According to a religious perspective, it is assumed in such institutions that the drug addiction is a sin or an ordeal that the user has to go through and very aggressive methods are used to deal with people in suffering. Some of them even deny the use of painkillers, in consonance with the belief that suffering uplifts the soul.

As the soul in suffering is usually held in a poor’s people bodies it is necessary to understand that the drug issue is in a first place a social issue. And understand it means not only to understand the limits of the Open Arm’s program in a city as Sao Paulo but to see it as a fragment of humanism in this ‘’Concrete Jungle’’ that oppresses bodies and minds daily. It is more than an extremely violent process of property speculation – Sunday’s action is a big step in a process of mass incarceration of the poor living in the cities.


After the big military operation on Sunday, more than 500 people were sent to homeless shelters – already over populated – and, as expected by the critics of Doria’s policy, great part of people living and consuming drug in Crakland just moved to different places in the city centre. The market remains active and there is already a reduction in crack’s price to revive the business – one can by one piece of crack for 4 reais ( less than 1.50 euros). The drug dealers are still making profit per kilo.

São Paulo’s Human Rights Secretary has been occupied by protesters opposed to the action in the Cracolandia since 24th of May.

Pequenas reflexões sobre a greve geral no Brasil e o ato em São Paulo

Por: Roger Filipe Silva*

Dia 28/04/2017, o país viveu mais um dia histórico. Já parece ser inegável que vivenciamos a realização da maior greve já registrada em décadas, aliás, talvez a maior já registrada. Apesar da euforia tomar conta dos corações esperançosos, é necessário que tenhamos certa cautela nas análises e não caiamos na pura e ingênua guerra de narrativas, que agora lota as redes sociais e a grande mídia.

greve_largodabatata

Longe de chegar a resoluções, gostaria somente de fazer algumas observações, feitas no calor do momento, para ajudar no debate. Todo movimento social é feito por pessoas, mas que pessoas? Fiquei andando pelas concentrações, parando ocasionalmente nos grupos, alias bastante heterogêneos, que se encontravam concentrados no Largo da Batata, e ouvindo como quem não quer nada as conversas – sim, ao estilo bisbilhoteiro. Partindo do que ouvi e observei, tentarei fazer alguns levantamentos.

Motivos para a grande adesão à greve

  • O desemprego crescente, alcançando as marcas de 13,7% neste semestre. Ouvi por diversas vezes, principalmente vindo dos mais jovens, frases relativas à dificuldade de se conseguir emprego e o quanto será difícil conseguir um bom emprego, mesmo com estudos, no futuro;
  • A perda do poder de compra da população, com a elevada inflação dos últimos anos e os baixos reajustes salariais, principalmente dos cargos públicos com menores remunerações. Reclamações relacionadas à dificuldade de se sustentar a família, ao preço das coisas no geral e o medo de piorar ainda mais;
  • O medo de não conseguir se aposentar e a conscientização sobre o que significa a Reforma da Previdência. Mesmo com a informação chegando de forma confusa, uma boa parte das pessoas falava com propriedade da reforma;
  • A Reforma Trabalhista e a dúvida sobre o que ela realmente significa, mas a certeza de que virá para piorar o nível de exploração para o trabalhador. A quantidade de alterações propostas e que foram noticiadas, unidas às mudanças, inclusões e rejeições realizadas na câmara, levaram à dúvidas sobre quais são os pontos propostos na reforma trabalhista, porém, dado o caráter explicitamente classista do atual governo, não havia dúvidas entre os manifestantes de que pioraria as condições da classe trabalhadora;
  • A existência de uma população trabalhadora bastante politizada, ainda que confusa em relação às possíveis resoluções que podem ser dadas aos problemas do país. Não há dúvidas de que os presentes no Largo da Batata, excluindo-se uma pequena parcela, eram estudados e tinham conhecimento de causa. Boa parte da manifestação ainda parece ser composta por uma classe trabalhadora com renda um pouco maiores que a média, e que tiveram a oportunidade de cursarem o ensino superior, ou o estarem cursando. Os mais pobres ainda não se fizeram presentes em massa, excluindo-se os participantes de movimentos sociais que lutam por terra e moradia, mas sobre isto falarei mais a frente;
  • As próprias centrais sindicais, apesar da disparidade de discursos, que tratarei mais à frente, e a incompetência organizativa, no caso de São Paulo, o papel da burocracia sindical ainda se mostra essencial. Como únicos capazes de declarar greve de maneira formal e com o dinheiro necessário ao transporte, à realização de propagandas que atinjam níveis relevantes e à organização de atos, com a utilização dos carros de som, faixas e demais apetrechos, a ferramenta sindical ainda se faz necessária à organização de qualquer greve que se pretenda grande. Porém, seus problemas se aparecem de forma cada vez mais nítida, principalmente os seus envolvimentos partidários;
  • Os partidos e movimentos sociais que parecem renascer, mas ainda reativamente. Apesar dos movimentos sociais nunca terem deixado de existir, suas lutas pareciam apagadas em meio ao turbilhão neo-desonvolvimentista do governo Lula, devido às cooptações e receios dos mais diversos. Os movimentos se demonstram mais ativos e participativos, ou ao menos socialmente relevantes, após as jornadas de 2013 e ao golpe cívico-parlamentar-jurídico, que recolocaram o PT na oposição, o tencionando à realizar acordos com os setores mais progressistas nacionais, de PSOL ao MTST, o velho inimigo comum parece ter unido uma vez mais o politicismo socialdemocrata aos ativismos pontuais da nova esquerda, com pitadas de marxismo aparecendo quando parece convir, muito mais no discurso do que na prática. Todavia, é notório que as paixões partidárias sejam ainda uma grande força aglutinadora, ainda que esteja caindo em descrença a romantização do passado do lulo-petismo, a noção pragmática de um governo possível continua forte. Embora, entre os diversos movimentos, partidários ou não, as rusgas continuem e as feridas estejam abertas, e podem ser vistas a olhos nus, a falta de perspectivas de um horizonte emancipatório leva os jogadores a aceitarem as regras sem grandes contraposições;
  • O aperfeiçoamento de militantes e intelectuais que se entendem de esquerda à linguagem da internet. A utilização das ferramentas disponíveis para a propagação do ideário de esquerda, coisa antiga, mas que parece ter amadurecido às novas linguagens há pouco, além de possibilitar um contraponto importante ao discurso oficial e dar propriedade e visibilidade a assuntos que costumam ser tratados de forma superficial pela grande mídia, parece ter sido uma das principais responsáveis pela formação de novos militantes, além daqueles que simplesmente eram repostos nas fileiras universitárias;
  • Talvez o que mais seja perceptível é o distanciamento, que já ultrapassou o ridículo, da dita classe política, que é, em sua maioria, a classe burguesa e latifundiária com disfarces de representatividade, dos interesses da população em geral. Sua capacidade de ignorar as necessidades e opiniões dos trabalhadores, seu afastamento material geográfico e experiencial, dada a sua vida material e seus próprios interesses, demonstra de maneira nua e crua a função que exercem desde sempre no país. Sem receio de demonstrar seus interesses de classe, se fecharam em um jogo ainda mais intrincado do que a nobreza francesa do final do século XVIII, e escancaram suas incapacidades, desonestidades e limites. A crise econômica diminui as brumas que encobrem a luta de classe, a crise política aquelas que encobrem a função do estado nesta luta.

O que queremos?

Agora entramos em terreno ainda mais lamacento, aqui se misturam todos os interesses, espiritualmente elevados ou os encontrados somente nos mais longínquos ciclos infernais. Cada grupo, em um esplendido exemplo da teoria lukacsiana da teleologia secundária, tenta dar uma finalidade ao movimento, mas o que vemos, na prática, ainda é uma miríade de interesses e resoluções, mas que tem em comum a defesa da queda de Temer e de suas reformas. Porém, uma vez que saia o Temer, o que fazer?

  • Não à reforma trabalhista, não à terceirização, não à reforma da previdência e fora Temer são as principais reinvindicações do movimento grevista, não encontrando contraposições internas;
  • Anula STF. Algumas células do PT, principalmente mulheres que veem a recusa das lideranças do partido erguerem tal bandeira como uma recusa misógina, defendem a anulação do impeachment e o retorno de Dilma como única saída à crise política atual, devido à legitimidade e legalidade do governo anterior. Porém há ressalvas de outras células, uma vez que o retorno atual de Dilma poderia rebaixar ainda mais a imagem do partido, devido à crise econômica e política atual, que poderia travar o governo, parecendo que seria mais interessante esperar pelas próximas eleições para o Lula aparecer como um novo messias;
  • Diretas já. Defendido por quase todos os membros do movimento, excluindo-se os que desejam o retorno de Dilma, querem uma nova eleição para presidente;
  • Fora todos e diretas já. Basicamente uma continuidade necessária da realização de novas eleições para o executivo, pois ninguém conseguiria qualquer governabilidade caso se mantenha o mesmo congresso;
  • A formação de uma constituinte. Defendido por algumas alas dos movimentos estudantis e partidários, parece visar à realização de uma reforma política profunda, mas não expressa qual reforma seria necessária, parecendo almejar um debate no interior da constituinte para se chegar a tais resoluções;
  • Defesa da Petrobrás e das estatais. Defende-se a existência de um ataque internacional que visa o desmonte das empresas nacionais, principalmente as estatais, e que a operação lava-jato, assim como outras operações atuais da polícia federal sejam partes deste plano, se fazendo necessária a investigação destas investigações.
  • Lula 2018 e Lula livre. Tenta-se dar ao movimento característica partidárias de defesa do ex-presidente, colocando-se que haveria uma perseguição política impetrada pelo juiz Moro ao Lula e que o movimento deveria defendê-lo para que houvesse uma possibilidade real de este se eleger nas próximas eleições, fossem elas agora ou em 2018. A CUT, como porta voz do PT, ainda que existam rachas internos, defende sempre que possível esta visão.
  • O fim da polícia militar. Apesar de não ser uma das pautas centrais do movimento grevista, a ideia encontra eco onde quer que seja manifesta.

grevegeral_bandEstas foram as principais pautas que pude observar, sejam nas conversas informais, ou vindas dos diversos carros de som. É latente observar a esperança ainda depositada em uma resolução politica dos problemas sociais, não havendo, ao menos de maneira relevante, propostas que se coloquem além da política, excluindo-se algumas faixas e músicas anticapitalistas tocadas ao som dos tambores dos movimentos estudantis e do MTST, mas que aparentam ficar em segundo plano.

Os contrários

Aqui não me alongarei, pois não há novidades, talvez desde o início do século XX não existam grandes novidades. Os contrários à greve geral costumam ter uma narrativa quase uníssona, com falácias ad hominem tendo preponderância.

  • Os argumentos que visam desqualificar a moral dos grevistas, chamando-os de vagabundos, ladrões, vândalos, terroristas ou coisa que o valha;
  • Tenta-se qualificar o movimento como político-partidário, sempre desqualificando este lado político logo em seguida ou um pouco antes;
  • Dizem que a greve ou os atos atrapalham a sociedade, defendendo a manutenção da ordem, mesmo que isto signifique a resignação total;
  • Demonstram apenas o lado mais violento das manifestações, tentando qualificar seus membros como baderneiros e criminosos;
  • Dizem que é apenas uma pequena minoria de pessoas que concorda com este ou aquele movimento, visando, assim, diminuir a legitimidade das pautas.
  • Buscam desmobilizar os trabalhadores pela pura ameaça de corte salarial e demissão.

Os principais atores contrários à greve geral foram aqueles que eram os principais atacados, seus aliados políticos e demais setores ligados à manutenção do status quo, assim como parcelas da população com pensamentos ligados ao conservadorismo ou ao mais puro reacionarismo moralista, incluindo-se aquelas com posições convictas e outras, ainda, bastante confusas. O governo federal e governos locais de partidos da base aliada tiveram grande relevância no combate à greve e às manifestações, começando por utilizar todos os argumentos acima mencionados, passando para a ameaça da utilização da força policial e, por fim, utilizando-se da força policial com o intuito puro de reprimir, demonstrar força e intimidar.

O ato no Largo da Batata

O ato estava marcado para começar às 16h, porém, dada a falta de transportes públicos, devido à própria greve, grande parte das pessoas atrasou, com a aglutinação chegando ao ápice somente em torno das 17h30. Enquanto isto, diversos ambulantes vendiam espetinhos, cachorros quentes e os mais diversos tipos de bebidas. Não havia grande contingente policial no Largo, apenas uma linha de soldados dispostos do outro lado da Av. Faria Lima.

Já havia uma quantidade razoável de pessoas quando cheguei, lá pelas 16h10, principalmente professores de escolas particulares, vinculados ao SINPRO, com suas famílias e camisetas laranja. Algo que me impressionou foi a quantidade de jovens, adolescentes e crianças, presente na manifestação.

Conforme caminhava conseguia discernir alguns grupos organizados relacionados às centrais sindicais e vários movimentos populares, assim como uma quantidade razoável de pessoas não ligadas a movimento algum, quantidade que tendeu a aumentar absurdamente com o passar do tempo, aumentando também a heterogeneidade da manifestação. Grupos LGBTs, sem tetos, professores, sindicalistas, metalúrgicos, motoristas, metroviários, estudantes e vendedores ambulantes formavam os grupos mais visíveis, sendo possível identificar gente de todas as idades, cores e credos, mesmo alguns indivíduos enrolados na bandeira brasileira integravam parte dos presentes. Os tambores e marchinhas formaram a trilha sonora, do início ao fim do protesto, aquecendo com dancinhas divertidas a noite fria. Diversas crianças brincavam nas redes que formam um tipo de obra pós-moderna, com redes ligando vigas de metal.

A grande quantidade de funcionários públicos e setores com maiores estabilidades trabalhistas e as adesões menores de trabalhadores de comércios e pequenas empresas, demonstram bem o plano governamental. A tentativa de rebaixamento de todos os setores ao mais baixo patamar de estabilidade, criando-se uma sensação de insegurança perante o futuro, junto ao aumento da terceirização e a quebra dos sindicatos para dificultar absurdamente a união e luta da classe trabalhadora, seja pelo motivo que for, aumentando a taxa de exploração ao impedir oposições fortes.

A member of Brazil's Movimento dos Sem-Teto (Roofless Movement) gestures in front of a burning barricade during a protest against President Temer's proposal reform of Brazil's social security system in the general strike in Sao Paulo

Ficamos reunidos no Largo da Batata por um longo período, entre discursos inflamados vindos dos caminhões de som, mas que não chegou a empolgar a população que já encontrava dificuldades de andar em meio à aglomeração, gritos de fora Temer, cantorias, churrasquinhos e gritos de guerra. Foi somente em torno das 19h que as lideranças, esgotadas as filas de gente querendo um tempo no microfone, iniciaram a marcha. O objetivo era chegar até a casa de Temer, onde o ato se encerraria. A ida foi extremamente pacífica, com as maiores tensões acontecendo, somente, na presença de alguns motoristas que tentavam fugir dos bloqueios, além da correria para comer cachorros quentes em algumas vãs paradas nas calçadas que, aliás, não tenho ideia de como chegaram ali.

No dia anterior, a polícia já havia informado que blindaria a casa e, obviamente, lá não se encontrava o presidente e nem nenhum membro de sua família, apenas filas de policiais preparados para reprimir quem se aproximasse. A casa fica próxima a uma praça, com ruas largas e canteiros centrais, mas sem muitas saídas possíveis em caso de repressão, uma vez que a polícia já havia fechado quase todas as próximas à residência. O que leva a uma reflexão, o que queriam as lideranças ao guiar cem mil pessoas, ou mais, até uma casa lotada de policiais prontos para o confronto e simplesmente terminar a manifestação ali, sem plano de retorno ao Largo ou a qualquer lugar mais aberto? Acredito que houve grande despreparo por parte das lideranças, que tiveram sorte, ou não, de não ocorrerem maiores problemas, além das prisões.

A manifestação chegou próxima à casa de Temer, o caminhão de som se prostrou em frente à rua que leva à entrada da residência, na qual estavam os policiais militares, iniciaram-se discursos pelo fim da reforma trabalhista e da previdência, puxando-se alguns coros, mas a tensão já estava posta, ao fundo começamos a ouvir as bombas de gás explodindo. As lideranças encerraram o ato às pressas com um “foi lindo, vamos derrubar este governo, agora voltem para casa em paz!” e começaram a pedir não à repressão. A polícia deve ter recebido a ordem para avançar, e assim começaram a fazer. A partir daí todos começaram a retornar ao Largo da Batata, com a polícia arremessando bombas e criando algum pânico, rapidamente controlado pelo resto dos manifestantes. Foi somente após a polícia iniciar a repressão que alguns jovens começaram a quebrar as vidraças dos bancos e demais locais símbolos do Capital e da exploração.

Reflexões finais sobre o ato e a greve:

  • A heterogeneidade dos participantes, demonstrando enormes diferenças entre esta manifestação e as realizadas aos domingos com pautas pró-impeachment;
  • O despreparo das lideranças e a urgente formação de lideranças que representem melhor a classe trabalhadora e lute pelos seus interesses, que vão além da briga meramente política e muito além da partidária, apesar de passar por ela;
  • A problemática sindical, ainda mais quando relacionada à política partidária. Demonstrando sua necessidade enquanto ferramenta, mas, ao mesmo tempo, seus problemas quando se tornam fim e si. A pergunta: ainda há espaço para os sindicatos? É refeita.
  • A multiplicidade de resoluções e pautas, mas que, diferentemente das manifestações de 2013, se ligam no que diz respeito às pautas centrais, contrárias às reformas e ao governo federal.
  • A união de setores diversos, e por muitas vezes conflituosos, da esquerda e progressista. Ainda que, ao que tudo indica, o PT ainda não tenha realizado autocríticas sérias e continue com posicionamentos politicistas, voltados unicamente para o controle e manutenção do poder estatal.
  • A classe trabalhadora voltando à pauta central da luta da esquerda, reunindo diversos movimentos sociais e demonstrando que as lutas destes movimentos não estão dissociadas das lutas da própria classe trabalhadora.
  • A urgência de se concentrar as lutas, aumentando a união da classe trabalhadora, sua consciência e fomentando a luta de classes.

 

* Roger Filipe Silva – graduado em ciências sociais pelo CUFSA e professor de sociologia na rede pública de ensino do Estado de São Paulo.

Aquarius e o privilégio da resistência

Aquarius e o privilégio da resistência

Há pouco mais de 6 meses Aquarius estreava nos cinemas brasileiros envolto a grandes expectativas. A necessária denúncia da equipe do filme no Festival de Cannes contra o golpe de estado em curso no Brasil e o consequente fechamento do Ministério da Cultura, assim como a não indicação do filme para o Oscar em meio a tantas críticas positivas e premiações em festivais, inseriu Aquarius à esquerda de um debate político que, diluído na bipolaridade impeachment ou golpe, aproximava ou distanciava indivíduos a priori.

O filme estreou há apenas algumas semanas em Dublin, quando tive a oportunidade de assistir. Capa da revista The Ticket, do jornal The Irish Times, trazia na chamada a contrapropaganda de Reinaldo Azevedo utilizada na divulgação do filme: “It is the duty of people of goodwill to boycott this film’’. Além de resenha da obra, a edição trazia entrevista com o diretor Kleber Mendonça Filho e classificação máxima de 5 estrelas no ranking de avaliação.

Para além da contraindicação de Azevedo, que para o público alvo do filme constitui um dos muitos elementos convidativos da obra, Aquarius é um filme que traz uma protagonista atípica: Clara é mulher, uma viúva de 65 anos e mãe de três filhos, que perdeu um dos seios por conta de um câncer na mana, mas que ainda assim é atraente e sexualmente ativa. Clara ouve vinil, escreve sobre música clássica, caminha na praia, tem uma alimentação saudável e valoriza as coisas pelo seu valor em si. Ela antagoniza com Diogo, um jovem ambicioso que estudou “business” nos EUA e trabalha na construtora do avô. Diogo é a expressão de um tempo no qual é imperativo agir, e no qual o sentido e o valor das coisas é mensurável pela sua rentabilidade.

Ambos são da classe dominante. A diferença é que não é o dinheiro que move Clara. Ela luta pela permanência das memórias de uma vida. E ao afirmar que estórias importam e que o sentido do futuro é dado pelo presente, Clara entra em confronto com o “inevitável progresso”, representado por uma gigante da construção civil nacional que passa como rolo compressor por cima de tudo o que não lhe interessa.

A crítica do filme, porém, parece restrita a um tipo específico da classe dominante, àquela mais rudimentar nos sentidos, pragmática. Não é uma crítica aos privilégios ou as classes em si. Clara, por exemplo, é retratada como uma boa patroa, sempre amparada e defendida pela empregada Ladjane. Uma relação complexa que encerra pontos altos do filme e justifica esse texto.

É a caminho da festa de aniversário de Ladjane que o espectador é apresentado ao drama das camadas mais pobres da nossa sociedade. Clara mostra para a namorada carioca do sobrinho que do lado de lá do canal do esgoto fica a parte pobre da cidade e que é lá onde mora Ladjane. A empregada também tinha um filho, ela conta, que morreu atropelado. Seu assassino saiu impune.

Esse diálogo e as cenas da festa, como quando um cartaz com a foto do filho de Ladjane é colocado ao lado da mãe na hora do parabéns, elevam ao insustentável as contradições que vinham sendo sutilmente reveladas na trama e minimizadas dada a pretensa magnificência de Clara. A resistência de Clara e sua moralidade não diferem da de uma aristocracia que outrora via na ascensão da burguesia um embrutecimento do gosto, das práticas e dos costumes. Mantém se a lógica moral das classes dominantes, que muda na forma mas mantém seu conteúdo autoritário. Sendo no prédio de Clara ou no luxuoso Novo Aquarius o espaço em disputa não insere Ladjane como protagonista.

Clara é um personagem cujo discurso de resistência se pauta em uma sensibilidade e revolta restrita. Fiquei esperando e torcendo para que do silêncio causado pelo peso da conversa entre Clara, o sobrinho e a namorada, nascesse algum questionamento no futuro. Mas não. Diferente de Clara, o destino de Ladjane aparece a todos como natural, sem saída. É consenso que é triste e mais nada.

Assim como é natural à elite brasileira empregadas domésticas interromperem seu trabalho para pegar um copo d’água para o patrão que acabou de voltar da praia, é natural que o assassino do filho de Ladjane não sofra consequências pelo seus atos. Também passa inquestionável que Clara, a boa patroa, nunca usou de sua influência com a elite local, como o fez quando em luta contra a construtora, para descobrir quem teria matado o filho de Ladjane ou para sequer ajudá la com um advogado.

O importante não importa e é na moldura que se encontra o maior valor da obra. Aquarius não permite nenhuma problematização ou crítica social mais profunda. Nenhum privilégio é revisto e Clara segue até o fim da mesma forma que começou, soberana. Concebida como uma mocinha, não resta espaço para autocrítica, para rever posições de privilégio. Afinal, numa época de submissão generalizada, Clara é uma mulher que não se curva nem ao mar (que bem simboliza a natureza das coisas) nem ao poder das grandes corporações ( às imposições do capital). Algo que Ladjane nunca pode vir a ser.

Workers’ rights under threat in Brazil

Much has been said on the media about the need of a labor reform in Brazil to ‘’relieve’’ the contractors, to “flexibilize” the labor relations and thus generate more jobs. Social Security reform has been also defended as a means to protect the public coffers in view of a supposed increase in expenses caused by the growing life expectancy of the Brazilian population. In response to more people living longer lives, and in line with the characteristic capacity of capital to transform something originally positive into negative, the government aims to approve a series of measures by the second half of this year that will force the citizens to work more, with less stability, for longer and without any future guarantees.

The Social Security proposal reform presented by this government, which got to power by questionable means, establishes the minimum age of 65 years to retire, with 49 years of contributions to receive full pension and 25 years to partial. Under the new law, men, women, rural workers, civil servants, industry employees and tertiary sector’s workers would be equal.

However, such homogenization fails to ignore reality. Just as rural workers (such as a cane cutter) can not work for as many years as a civil servant or an economist – by the nature of his work – women work twice as much as men once they are also responsible for housework. It is also necessary to take into consideration factors such as different levels of development of the States in Brazil showed by IDH records or the life expectancy data that varies according to level of violence and access to goods and services such as basic sanitation, health and education .

According to research published by Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE) in 2015, while Santa Catarina ( in the South) is the federation unit with the highest life expectancy at 78.7 years, in Maranhão ( in the Northeast) which is the last one on the list, the life expectancy is 70.3 years – in Alagoas, also located in the Northeast of Brazil, it falls to 66.5 years among men. That is, a man in Alagoas should not even have to pay his pension contributions because he will not be able to enjoy this so-called “right”.

As a part of the ongoing reforms, National Congress approved on the 22nd March a bill 4.302 / 1998 that allows the outsourcing of all the activities of a company. Among other measures, it increased the length of temporary contracts from 3 to 6 months – which could be even extended through negotiation between employer and employee – and regulated the fourth party services. The outsourcing company is authorized to subcontract other companies to perform contracting services, salaries’ payments and supervision of work.

The precarization of labor is once again the response given for an economic retraction by a political elite that represents private interests in a public sphere. The ongoing changes will benefit the employers not the employees, who are increasingly unprotected and with bargaining power even more weakened by the rising of unemployment in the country – 13% of the Brazilian population have no jobs, the equivalent of 26780.000 people

In the period of one year, the Brazilian labor market lost 1,134 million formal contract places. The total of contract jobs in the private sector shrank 3.3% in the quarter ending on February 2017, compared to the same period of the previous year, according to data of National Household Sample Survey – PNAD Continuous. On the other hand, employment without a formal contract in the private sector increased by 5.5%,            with 531 000 more employees.

Another factor that needs to be observed is that with the outsourcing and dismantling of the Consolidation of Labor Laws (CLT), the state will be collecting less money for the National Institute of Social Security (INSS). That is, neither the state will be raising more resources nor will the worker have his retirement covered. A prosperous field opens up for the private pension market.

This scenario of precarization goes along with a process of public sector’s annihilation. Just as the sense of public has been lost throughout history, we are losing access to spaces, goods and services hitherto considered universal because indispensable to life. In order to move forward on a more democratic path, it is necessary first of all to review Brazilian macroeconomic policy, hitherto oriented according to a neoliberal agenda centered on deregulation and privatization, currency stability, deregulation of labor relations, fiscal austerity and primary surplus. It needs to be reoriented from a perspective that no longer places under the back of the working class the weight of a development project that benefits a small elite or the so-called “national champions.”

Relatório da Oxfam, uma atualização do fim da história

Relatório da Oxfam, uma atualização do fim da história

Este mês a Oxfam publicou seu relatório anual sobre desigualdade econômica, no qual revela que 8 pessoas detém o que metade da humanidade, 3,6 bilhões, não tem . No relatório anterior, de 2016, falava-se de 62 pessoas. Ainda segundo a ONG, os mais ricos estão lucrando tanto e tão rápido que em apenas 25 anos o mundo poderá ter seu primeiro trilhardário.

É neste contexto que uma em cada 9 pessoas passa fome; que a Europa fecha suas fronteiras para refugiados que ao tentar escapar da morte certa em seus países veem a liberdade ocidental reduzida a mera promessa; que o estandarte da democracia contemporânea, os EUA, tem uma população carcerária equivalente a ¼ da população carcerária mundial; que britânicos dividem suas casas com desconhecidos e os desempregados fazem fila para conseguir sua cota básica de comida e produtos de higiene- realidade considerada própria de regimes comunistas; e que a escravidão ainda existe, de norte a sul, inclusive nas fábricas que produzem para a Zara, marca de roupas pertencente a um dos 8 afortunados contemplados no estudo. É nesse contexto que uma população anestesiada confunde democracia com meritocracia. Mais ainda: confunde desenvolvimento econômico com destruição e genocídio.

Também neste contexto, li na página de um amigo no Facebook o seguinte comentário a respeito do tal estudo:

“Moralmente não está certo. Mas se você tirar o dinheiro desses oito e der para os 50% mais pobres, daqui a 5 anos eles estarão ainda mais pobres e mais uns 30% da população, que não era pobre porque vivia da riqueza gerada por esses oito também estará na pobreza. A História já provou que se você divide tudo igualmente entre todos, uma hora não há mais nada para dividir”.

Primeiramente, eu não sei a que história ele se refere ou onde isso foi sequer tentado – a riqueza foi dividida igualmente em algum lugar? Mas o que mais me chocou nesse comentário é o complexo de inferioridade do ser em questão – uma característica, serei justa, que infelizmente não é mera qualidade pessoal, mas uma moral compartilhada socialmente.

Convenhamos, ele de fato acredita na superioridade natural dessas pessoas e que pobreza é falta de competência? Já ouviu falar de herança? Ele realmente acredita que o fato de ter nascido em uma família que pôde arcar com a melhor educação possível desde o ensino básico até a universidade não contribuiu em nada para a formação destes milionários? Então por que pessoas se endividam uma vida toda para fazer faculdade? Ou ainda, se os mais pobres tivessem as mesmas oportunidades dos mais ricos, eles não teriam a mesma capacidade? Não teriam tanto dinheiro quanto?

Capacidade teriam, mas uma vez que o capitalismo é pautado na exclusão e expropriação de trabalho alheio, não da para todo mundo lucrar junto. Não é assim que o jogo funciona. Desemprego é necessário e a concentração de renda é a tendência.  E é por isso que não dá para fazer como o ser em questão e confiar nosso futuro nas mãos de “administradores profissionais” protegidos por um direito de posse não menos místico do que líderes absolutistas de outros tempos.

A Revolução Francesa derrubou a monarquia ao destruir sua base ideológica de sustentação. Justificado o poder despótico de reis como a vontade de deus na terra, assim como a consequente miséria experimentada por seus súditos, a premissa que estava posta pelo aparato estatal monárquico era que o lugar de nascimento determinava a posição social do indivíduo.

De mobilidade social quase inexistente, tal estrutura foi questionada por uma burguesia em ascensão, que se assentava sob ideais revolucionários. Liberais, eles defendiam que todos – os homens- eram iguais e por isso deveriam lutar na arena mercado de igual para igual, sem intervenção do estado, que servia apenas para sustentar os luxos de uma aristocracia parasitária, gastos militares e uma política de expansão colonialista.

A inversão de paradigma entre uma e outra perspectiva é radical. Nota se um ideal humanista embrionário presente no pensamento liberal da época. Por outro lado, como a força da vontade não é imune às determinações materiais (oportunidade de acesso à educação, moradia, trabalho, subsistência…), comunistas e anarquistas a época ampliaram o debate, ao defender que a origem da desigualdade se encontrava na propriedade privada dos meios de produção. Que a primeira só poderia ser superada com a erradicação da segunda.

Tendo a revolução burguesa triunfado, não tardou para que a burguesia abandonasse seu caráter revolucionário e se convertesse em uma classe que visa manter privilégios. Neste contexto, o estado foi reformado mas seguiu em defesa dos direitos da classe dominante, como lhe é próprio.

Reduzido o mérito a uma justificativa cínica que culpabiliza o indivíduo por desigualdades sociais crescentes, os neoliberais seguem em sua crítica ao estado mas – sempre- de forma unilateral. Desmontaram estados de bem estar social erguidos no período entre guerras que, embora orientados ao desenvolvimento do capital, criaram e desenvolveram programas sociais – até então presentes apenas em discursos da social democracia – e passaram a taxar consideravelmente as grandes fortunas e heranças, entendidas como fonte de uma desigualdade hereditária.

Inegavelmente, a qualidade de vida da população melhorou com tais políticas distributivas – inclusive gerou se uma ampla classe media que, contraditoriamente, passou a ir contra o proprio estado de bem estar social que possibilitou sua ascensao economica. Porém, a valorizacao do capital sempre foi o objetivo dos estados nacionais. Conforme mostra Thomas Piketty em seu audacioso O Capital no Século XXI , se no período de 1932-1980, a taxa superior do imposto federal sobre a renda foi, em média, de 81% nos Estados Unidos, temendo perder a hegemonia conquistada num contexto de recessão econômica, EUA e Inglaterra não tardaram em cortar investimentos em programas sociais e da previdência nos anos 1980. Com a reforma neoliberal de Reagan e Thatcher a arrecadação estatal caiu para 30-40% nos anos 1980-2010.

As referências a Piketty restringem se aos dados fornecidos em sua pesquisa, uma vez que a solução sugerida por ele para diminuir a desigualdade seria mais estado e uma cooperação global entre governos para taxar as grandes fortunas – ao que ele mesmo considera idealista devido a falta de interesse dos estados nacionais em tal medida. Tal compreensão segue na mesma linha proposta pela Oxfam em seu relatório, e ambos não levam em consideração que cada época tem o estado que melhor representa os interesses da classe dominante – neste caso definidos pela necessidade constante de valorização do capital, pela busca desenfreada de lucro. Essa é a prioridade do sistema capitalista e a própria realidade assim confirma.

Em uma postura que reitera a filantropia como uma zona de conforto que se compraz com privilégios inquestionáveis, a Oxfam pede doações para ajudar crianças e mulheres vítimas da fome em países da África subsariana, ou vitimas das guerras no Oriente Médio. Por outro lado, não sinaliza interesse ou apoio a comunidades que se organizam como alternativas ao capitalismo, inclusive em tais regiões de guerra com é o caso no Curdistão Sírio.

Não pretendo com isso insinuar ou afirmar que a ONG não tem boas intenções, mas mostrar que tal escolha demonstra que o capitalismo é entendido, também por eles, como o fim da história, o fim da linha, e que a única saída é torná lo menos sofrível, mais suportável. Ao meu ver, fim de linha é abismo – e o sentido figurativo de tal afirmação depende da nossa capacidade de criar e seguir por vias alternativas. Ao invés de uma lógica resignada que te diz: aceite, doe, reproduza, porque não criar, lutar e transformar o mundo e a si? Em sintonia com a história, esse futuro me parece mais dotado de sentido do que 8 pessoas controlarem nossos destinos.